Sub Linkes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

quinta-feira, 17 de Junho de 2010

Alimentação Saudavel

Para além disto uma alimentação saudável também é indispensável e pode evitar muitas doenças. As doenças que são provocadas pela falta de determinados nutrientes que se encontram nos alimentos. Mas também doenças que são provocadas por excesso desses mesmos nutrientes. Em suma eu acho que se deve comer um pouco de tudo, e variar o mais possível a nossa dieta alimentar.

Os nutrientes são substâncias que compõem o alimento. Essas substâncias vão nutrir o corpo, renovar as células, fornecer energia, regular as suas funções, contribuir para o crescimento e renovação do organismo, ajudando no controle das diversas transformações internas. Nutrição é o processo biológico através do qual os organismos assimilam alimentos ou nutrientes para a realização das suas funções vitais, tais como o crescimento, movimento, reprodução, etc.

A nutrição pode ser feita por via oral, ou seja, pela maneira natural do processo de alimentação, ou por um modo especial. No modo especial temos a nutrição enteral e a nutrição parental. A primeira ocorre quando o alimento é colocado directamente numa área do tubo digestivo (geralmente o estômago ou o jejuo) através de sondas que podem entrar pela narina, boca ou por um orifício feito por cirurgia directamente no abdómen do paciente. A nutrição parental é a que é feita quando o paciente é alimentado com preparados para administração directamente na veia, não passando pelo tubo digestivo. Nutrição parental (NP) é a alimentação dada através de uma veia.

A nutrição parental serve para complementar ou substituir completamente a alimentação oral (dada pela boca) ou enteral.

Uma pessoa que não pode, ou não consegue ou que não se deve alimentar utilizando o seu aparelho digestivo necessita de uma outra maneira de alimentação que o mantenha com um estado nutricional adequado, pois o paciente desnutrido enfrenta muito mal as enfermidades e invariavelmente evolui para o óbito quando não é revertida esta situação.

São exemplos desta necessidade:

Recém-nascidos prematuros, cujo intestino ainda não está completamente formado;

Pacientes submetidos a cirurgias gastrointestinais de grande porte que complicam com fístulas;

Pacientes com a síndrome do intestino curto;

A nutrição parental pode ser "Total" ou "Parcial", conforme a necessidade.

Uma refeição saudável pode passar por um aperitivo com base em frutos secos, em seguida uma sopa. Depois um prato principal que poderia passar por umas batatas abertas ao meio, e cozidas com a casca. Depois de cozidas tirasse-lhes a casca, e em seguida colocam-se numa grelha ao lume só para tostar. Depois deitar um pouco de salsa e alho partido sobre as batatas, e um pouco de azeite. Acompanhar com tiras também grelhadas. Pois deve-se evitar sempre os fritos. Como bebida sumo natural, água ou vinho. Em minha opinião deve-se comer fruta, e evitar mais as sobremesas, ou doçuras. Por fim em lugar de se tomar café porque não um chá.

No Verão deve-se beber muita água para evitar a desidratação de um indivíduo.

A healthy meal can be an appetizer on the basis of dried fruit, then a soup. After a main dish: we can have some potatoes cut in half, and cooked with the peel. Once cooked take off the peel, and then place them on a grill on the stove just for toasting. Then pour a little parsley and garlic over the potatoes, and a little olive oil. Serve with grilled pork too. You should always avoid fried foods. Drink natural juice or water, or wine. In my opinion you should eat fruit and avoid desserts. Finally instead of coffee why not a tea?

In summer you should drink plenty of water to avoid dehydration.

A combinação disto tudo certamente nos dará um estilo de vida saudável. Sendo que devemos alimentar de acordo com as percentagens de cada alimento que se encontram representados na roda dos alimentos. Sendo que a roda dos alimentos é uma representação gráfica, em forma de círculo, que se divide em segmentos de diferentes tamanhos, e grupos. E que reúnem alimentos com propriedades nutricionais semelhantes. A actual roda dos alimentos é constituída por 7 grupos diferentes, devendo alguns grupos ter um maior peso na alimentação diária:

• Cereais e derivados, tubérculos – 28%

• Hortícolas – 23%

• Fruta – 20%

• Lacticínios – 18%

• Carnes, pescado e ovos – 5%

• Leguminosas – 4%

• Gorduras e óleos – 2%




A água apresentada no centro da roda, por ser a base da vida e da constituição dos alimentos. De forma a seguirmos uma alimentação saudável devemos guiar-nos pela roda dos alimentos. E seguir uma alimentação que deve ser completa. Ou seja, comer alimentos de cada grupo e beber água diariamente. Equilibrada no sentido que devemos comer maior quantidade de alimentos pertencentes aos grupos de maior dimensão, e menor quantidade dos que se encontram nos grupos de menor dimensão, de forma a ingerir o número de porções recomendado. E variada, ou seja comer alimentos diferentes dentro de cada grupo variando diariamente, semanalmente e nas diferentes épocas do ano.


Os alimentos são todas as substâncias utilizadas pelos animais, como fontes de matéria e energia para poderem realizar as suas funções vitais, incluindo o crescimento, movimento, reprodução, etc. Para o homem, a alimentação inclui ainda várias substâncias que não são necessárias para as funções biológicas, mas que fazem parte da cultura, como as bebidas com álcool ou outros compostos químicos psicotrópicos, os temperos, vários corantes usados nos alimentos, etc.

Metaforicamente, diz-se muitas vezes que, por exemplo, a literatura é alimento para a alma.

As disciplinas que se relacionam com a alimentação são:

- A dietética, um ramo da medicina que estuda quais os alimentos mais apropriados para melhorar a vida das pessoas;

- A nutrição, um ramo da biologia e também da medicina que estuda as características dos alimentos e os processos biológicos que eles sofrem ou provocam;

- A culinária ocupa-se da forma como os alimentos são utilizados nas várias culturas humanas.

Os seres humanos são animais omnívoros que podem consumir tanto produtos de origem animal como vegetal. Na pré-história, o homem começou a recolher, ou seja, colhendo plantas ou partes delas, como frutos para se alimentar; mais tarde, principalmente com a invenção do fogo e de instrumentos, passou a caçador, ou seja, passou a utilizar também animais na sua alimentação.

Com a experiência da idade do gelo é provável que os seres humanos quisessem criar algum sentimento de segurança controlando que plantas estavam crescendo e que animais estavam disponíveis. Isto conduziu à agricultura, que tem melhorado continuamente e alterado a maneira como o alimento é obtido.

As refeições são uma selecção de alimentos complementares diferentes comidos na mesma ocasião compreende uma refeição. Os povos escolhem frequentemente realizar refeições junto com outros membros da família ou amigos, o que é visto como importantes ocasiões sociais. Os alimentos consumidos em quantidades menores entre as refeições principais são considerados como lanche. Os petiscos e bebidas tomadas imediatamente antes duma refeição, para “abrir o apetite” designam-se aperitivos.

O número de refeições num dia, o seu tamanho, composição, quando e como estão preparados e comidos variam extremamente em torno do mundo e dependem do clima local, da ecologia, da economia, tradições culturais e industrialização. As refeições representam também um papel importante na celebração de muitos festivais culturais e religiosos.

Nas sociedades onde a disponibilidade de alimentos se elevou acima dos níveis de subsistência e dos alimentos básicos, as refeições são também oferecidas pré-preparadas para o consumo imediato nos restaurantes e outras instalações similares. Nas sociedades industriais, as refeições contêm frequentemente uma proporção mais elevada de alimento de origem animal.

Os alimentos são tradicionalmente obtidos através da agricultura, pecuária, pesca, caça e outros métodos de subsistência localmente importantes para algumas populações, mas menos para outras.

Na era moderna, nas nações desenvolvidas, as fontes de alimento são, cada vez mais dependentes da agricultura industrial, da aquicultura, e das instalações industriais de produção de animais, técnicas que apontam para maximizar a quantidade de alimento produzida e, por outro lado, minimizar o custo. Estas técnicas incluem uma confiança nas ferramentas mecanizadas que foram desenvolvidas, da debulhadora e semeadora automáticas, ao tractor e ceifadeira combinada. Estes instrumentos foram combinados com o uso de fertilizantes para promover a elevação da colheita e pesticidas para combater os insectos ou mamíferos que reduzem o rendimento.

Mais recentemente, houve uma tendência crescente para as práticas de agricultura sustentável. Esta aproximação, que se baseia numa satisfação parcial da relação entre o consumidor e a demanda, estimula a biodiversidade, a auto-confiança local e os métodos da agricultura orgânica.

A produção de alimentos é influenciada pela política internacional, como a Organização Internacional do Comércio, as políticas nacionais ou comunitárias, e as guerras.

Alimentos provenientes de plantas são:

- Cereais, incluindo cevada, milho, aveia, arroz, centeio, trigo, ou seus derivados, tais como cuscuz, esparguete, pão, etc.

- Açúcar

- Frutas e seus derivados, como sumos, vinhos, etc.

- Legumes, incluindo feijão, ervilhas, lentilhas

- Nozes

- Especiarias

- Hortaliças

- Cogumelos

- Ervas medicinais



Alimentos provenientes de animais são:

- Leite e seus derivados, incluindo manteiga, queijo, iogurte, etc.

- Ovos, incluindo as ovas de peixe e o caviar

- Insectos ou os seus produtos, incluindo mel

- Carne, incluindo bifes, pernas de rã, cabra, cavalo, canguru, carneiro, porco;

- Aves domésticas, incluindo galinha, peru, pato, ganso, pombo, avestruz;

- Produtos do mar, incluindo peixes, como salmão, mariscos como o camarão e outros crustáceos, amêijoa e outros moluscos, etc.

- Caracóis



Alimentos de origem mineral são:

- Sal

- Água



Muitos países têm leis que visam assegurar que os alimentos produzidos, comercializados e consumidos não prejudiquem a saúde dos seus cidadãos.

A conservação de alimentos sua produção e distribuição são, de longa data, problemas estratégicos a serem resolvidos com a máxima urgência, pois como se sabe o crescimento populacional é mais acelerado do que o da disponibilidade de alimentos.

Segundo a FAO (Organização das Nações Unidades para Alimentação e a Agricultura), quase 1 bilhão de pessoas, a maioria nos países em desenvolvimento, sofrem de desnutrição crónica, comendo menos do que o necessário para atingir os níveis mínimos de energia. Outros milhões sofrem de má nutrição aguda durante os períodos de falta sazonal ou transitória de alimentos. A mortalidade, principalmente a infantil, por desnutrição de energia proteica, é assustadora: cerca de 13 milhões morrem todos os anos antes de completar 5 anos de idade, como resultado directo da fome ou de nutrição insuficiente. A simples produção de alimentos não é tudo. Se não houver meios adequados para conservá-los e distribuí-los, o problema mundial não irá tão-somente persistir mas será severamente agravado. A conservação de alimentos, mantendo da melhor maneira possível suas condições naturais, tem sido uma preocupação constante dos pesquisadores.

Os processos de conservação têm por objectivo evitar as alterações nos alimentos, sejam elas de origem microbiana, enzimática, física ou química. Os tipos de tratamento existentes são:

Conservação pelo calor;

Conservação pelo frio;

Conservação pelo controle da humidade;

Conservação pela adição de um soluto;

Conservação por defumação;

Conservação por fermentação;

Conservação pela adição de aditivos;

Conservação pelo uso da irradiação.

Conservação pelo Calor baseia-se no emprego de temperaturas ligeiramente acima das máximas que permitem a multiplicação dos microrganismos, de forma a provocar a sua morte ou a inactivação das suas células vegetativas. Os principais métodos de conservação por Calor são:

A pasteurização é um tratamento térmico relativamente suave, utiliza temperaturas inferiores a 100 ºC, tem como principal objectivo prolongar a vida de prateleira dos alimentos, por alguns dias, como no caso do leite ou por alguns meses, como ocorre com as frutas enlatadas. Este método tem como princípio, a inactivação de enzimas e a destruição dos microrganismos sensíveis a temperaturas mais elevadas, como as bactérias vegetativas, bolores e leveduras, sem contudo modificar significativamente o valor nutritivo e as características organolépticas do alimento submetido a esse tratamento.

A esterilização pelo calor é o tratamento no qual o alimento é aquecido a uma temperatura relativamente elevada durante períodos variados de tempo, suficientes para a destruição de microrganismos e inactivação de enzimas capazes de deteriorar o produto durante o armazenamento. Este tratamento pode ser realizado por diversos processos, e tem ainda como objectivo principal a destruição dos microrganismos causadores de doenças e deteriorados, mantendo-o livre de germes nocivos à saúde do consumidor.



Nesse processo, o aquecimento é feito de maneira descontínua. Após o acondicionamento das matérias-primas alimentícias, a serem submetidas ao tratamento, em recipiente fechado, o produto é submetido ao tratamento térmico. Dependendo de cada produto e do rigor térmico desejado, as temperaturas variam de 60 a 90 ºC, durante alguns minutos. As células bacterianas que se encontram na forma vegetativa são destruídas, porém os esporos sobrevivem. Depois do resfriamento, os esporos entram em processo de germinação e depois de 24 horas a operação é repetida. O número de operações pode variar de 3 a 12 vezes até a obtenção da esterilização completa. A vantagem desse processo é que podem ser mantidos praticamente todos os nutrientes e as qualidades organolépticas do produto, em proporções maiores do que quando se utilizam outros tratamentos térmicos.



A apertização é a aplicação do processo térmico a um alimento convenientemente acondicionado em uma embalagem hermética, resistente ao calor, a uma temperatura e um período de tempo cientificamente determinados, para atingir a esterilização comercial. Este processo corresponde ao aquecimento do produto já elaborado, envasado em latas, vidros, plásticos ou outros materiais e relativamente isentos de ar.

Conservação pelo Frio consiste em baixar as temperaturas das quais se tem registos no ambiente são utilizadas para retardar as reacções químicas e as actividades enzimáticas, bem como para retardar ou inibir o crescimento e a actividade dos microrganismos nos alimentos.

• Refrigeração

• Congelamento

Conservação pelo Controle da humidade é:

• Secagem natural

• Desidratação ou secagem artificial

Conservação pela Adição de Solutos é:

• Adição de sal

• Adição de açúcar

A adição elevada de quantidades de açúcar ou sal ao alimento pode reter quantidades variadas de água, o que resulta em um estado qualificado como pressão osmótica. A preservação de frutas pela adição de açúcar, transformando-se em geleia, doces em massa e outros produtos similares ocorre pela elevada concentração de açúcar. Estes produtos contêm em média de 25 a 33% de humidade, mas podem ser conservados sem maiores problemas. O sal também é bastante eficaz na preservação de carnes e peixes.



Conservação por Defumação consiste no processo de aplicação de fumaça aos produtos alimentícios, produzida pela combustão incompleta de algumas madeiras previamente seleccionadas. Normalmente é realizado em conjunto com a salga, a cura, a fermentação e outros processos. Em carnes, o contacto com o calor e a fumaça provocam a perda da água, a superfície fica ressacada e a coloração estabilizada. A perda de água e a acção dos constituintes da fumaça conferem ao alimento barreiras físicas e químicas eficientes contra a penetração e a actividade de microrganismos. Essa capa protectora pode ser devido à desidratação que se processa na superfície do produto, principalmente na defumação a quente, à coagulação proteica que ocorre durante a defumação e ao depósito das substâncias antimicrobianas que existem na fumaça, que se condensam e ficam depositadas na superfície do produto.

Conservação por Fermentação é um processo que utiliza o crescimento controlado de microrganismos seleccionados, capazes de modificar sua textura, sabor e aroma, como também suas propriedades nutricionais.

A fermentação alcoólica é usada na elaboração de bebidas alcoólicas entre as quais temos as fermentadas (vinhos e cervejas) e as fermento-destiladas (aguardente, run, uísque, conhaque, tequila, gin, etc.). Transforma-se açúcares solúveis em etanol como produto principal. A transformação de glicose ou outro monossacarídeo em duas moléculas de álcool e gás carbônico é feita graças a presença de certas enzimas elaboradas por leveduras. Entre as leveduras mais utilizadas na fermentação alcoólica encontra-se Saccharomycies cerevisiae, usada na elaboração de vinhos, na produção de cervejas são utilizadas as espécies S. carlsbergensis e S. uvarum.



Fermentação acética na indústria de alimentos é largamente e utilizada na produção de vinagre, pela oxidação do álcool por bactérias acéticas, como Acinobacter e Gluconobacter. Porém, várias espécies acéticas podem oxidar o álcool a ácido acético, mas muitas delas também podem oxidar o ácido acético a gás carbónico e água, o que é indesejável, quando se tem como objectivo a produção do vinagre.

A fermentação láctica é largamente utilizada na preservação dos alimentos. Importantes produtos de origem vegetal como picles, chucrute e azeitonas e de origem animal como queijo e salames são elaborados por meio da fermentação láctica. Na fermentação de produtos pouco ácidos como leite e carnes, realizada com objectivo de aumentar a concentração de microrganismos fomentadores, para reduzir o tempo de fermentação e inibir o crescimento de germes patogénicos e deteriorardes, adiciona-se uma determinada quantidade de microrganismos seleccionados, com o objectivo de iniciar a fermentação; essa cultura de microrganismos é conhecida como "cultura starter".



Conservação pela Utilização de Aditivos os aditivos podem contribuir muito para a conservação dos alimentos. Mas essa prática deve ser encarada com bastante atenção, uma vez que, a ingestão excessiva de alimentos conservados por aditivos químicos pode provocar perturbações no equilíbrio fisiológico do consumidor.



Conservação pelo uso da Irradiação, sob ponto de vista tecnológico, satisfaz plenamente o objectivo de proporcionar aos alimentos, a estabilidade química e microbiológica, condições de sanidade e longo período de armazenamento.

O uso comercial da radiação ionizante na preservação de alimentos é relativamente recente, embora os primeiros estudos e ideias de aplicabilidade do método, remontam do início do século passado. Os fatos mais significativos da evolução da tecnologia de irradiação de alimentos podem ser observados a seguir:

1895 - Descobrimento dos raios-X – Roentgen

1896 - Descobrimento da radioactividade - Becquerel

1896 - Estudo do efeito bactericida dos raios-X- Minck

1905- Primeira proposta documentada para uso da radiação ionizante na conservação de alimentos. Patente inglesa no. 1609 de 26 de Janeiro de 1905, requerida por Appleby e Banks

1916 - Uso dos raios-X no controle de insectos – Runner

1918 - Patente americana para uso da radiação (raios-X) na conservação de alimentos - Gillett

1921 - Uso da radiação para inactivação do parasita Trichinella spiralis em carne de porco – Schwartz

1930 - Patente francesa para uso da radiação para eliminar bactérias em alimentos enlatados - Wüst

1943 - Esterilização de hambúrgueres por radiação ionizante - Proctor

1948 - Uso de electrões acelerados para conservação de alimentos, principalmente carnes - Brasch e Huber

1951- Resultados de 5 anos de estudos pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology): esterização segura de alimentos e medicamentos pelo uso da radiação ionizante, sem uso de calor - Proctor e Goldblith

1950-1960 - Desenvolvimento de Programas de Irradiação de Alimentos pelos governos dos Estados Unidos, Bélgica, Alemanha, Canada, França, União Soviética, Polónia, e outros

1960- Publicação dos primeiros livros sobre Irradiação de Alimentos: Rosenstock - USA e Kuprianoff e Lang – Alemanha

1963 - FDA (U.S. Food and Drug Administration) aprova para consumo humano bacon esterilizado por radiação ionizante

1967 - Introdução de alimentos esterilizados por radiação ionizante aos astronautas americanos do programa Apollo

1980 - A Organização Mundial de Saúde (OMS) libera e recomenda o uso da radiação ionizante em alimentos até à dose máxima de 10kGy

1999 - Liberação de doses de radiação superiores a 10 kGy pela Organização Mundial de Saúde (WHO Technical Report Series Nº 890).




Nos meus tempos de escola também participei nas actividades da área escola em cada ano que frequentei o liceu. Nomeadamente na do meu nono ano que era sobre Tradições e Cultura. O que foi engraçado. Pois inclusive pedimos o Auditório Padre Bento da Guia às entidades competentes, não me recorda com exactidão de quem era a competência do espaço mas, penso que na ocasião era da Câmara Municipal de Moimenta da Beira. Também não sei se ainda é, ou não.


O que sei é que nos foi cedido para lá exibirmos os objectos antigos bem como exibirmos as danças e cantares daqui da região como se fosse rancho de folclore. O que correu muito bem. E devo confessar que até foi engraçado sobretudo partindo do princípio que se calhar tal como eu para a maior parte dos meus colegas Folclore não dizia nada. E foi notório o esforço de toda a gente…

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.